Parque Natural Municipal Corredores de Biodiversidade – (PNMCBio)


 

Foto 30 Aniversário do Parque da Biodiversidade . Foto 16

O Parque Natural Municipal Corredores de Biodiversidade (PNMCBio) é a primeira Unidade de Conservação de Sorocaba. Diferente de outros Parques da cidade, é regido pelo Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC), definido pela lei federal nº 9.985 de 2000, enquadrando-se na categoria de Unidade de Conservação de Proteção integral, sendo admitido apenas uso indireto dos recursos, tendo por objetivo a conservação dos ecossistemas naturais, pesquisa científica, ecoturismo, lazer e educação ambiental.
Com área de 625.000 m², o Parque foi criado em 2008 por uma compensação ambiental da instalação do pátio industrial da empresa Toyota do Brasil.

A principal função desta Unidade de Conservação é proteger integralmente a fauna e a flora típicas da região e ampliar a proteção das Áreas de Preservação Permanente (APP’s) dos afluentes do Rio Sorocaba, onde não é permitida qualquer atividade ou intervenção.
A escolha desta área foi motivada pela existência de um fragmento florestal de cerca de 20 hectares de Floresta Estacional Semidecidual, ligado a Corredores Florestais das matas ciliares do Córrego Campininha, que atravessa o Parque, desaguando no Rio Sorocaba.
Segundo a definição do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC, 2000), os corredores são porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando unidades de conservação e outras áreas.

Os corredores florestais são importantes na manutenção do fluxo de genes entre indivíduos e populações e o movimento da biota, facilitando a dispersão de espécies e a recolonização de áreas degradadas, bem como a manutenção de populações que demandam para sua sobrevivência áreas com extensão maior do que aquelas das unidades individuais como, por exemplo, grandes mamíferos (onça pintada, lobo guará). Este grande refúgio formado para tais animais e a vida silvestre como um todo possibilita menor exposição a ameaças ocorrentes no entorno.
Devido à localização estratégica do Parque da Biodiversidade, a formação destes corredores é viável, conectando a área do Parque tanto com as matas ciliares e Áreas de Preservação Permanente (APPs), quanto, futuramente, à Floresta Nacional de Ipanema, localizada a 14 km do Parque. A Floresta é uma área extremamente rica em termos de biodiversidade de fauna, sendo que os animais que ali vivem necessitam destas grandes áreas.

No Plano de Manejo do Parque (Plano de Manejo, 2012) foram registradas 177 espécies de aves nas matas ciliares do córrego Campininha, que passa por dentro do Parque. Esta é uma evidência da importância da ligação em corredores ecológicos com estas matas.
Além disso, a criação do parque é de vital importância para assegurar a conservação ambiental em uma região de forte expansão econômica, com a instalação de diversas plantas industriais e do Parque Tecnológico de Sorocaba.

FAUNA PRESENTE NO PARQUE DA BIODIVERSIDADE

A fauna encontrada no Parque é bem diversificada em relação as preferências de habitats, ou seja, dos lugares que preferem habitar. Pode-se encontrar animais de ambientes abertos (borda de mata e região com alta insolação) e também animais típicos de mata fechada. Além dos mamíferos, as outras espécies de grandes grupos como herpetofauna (anfíbios e répteis), ictiofauna (peixes) e avifauna (aves) também tem hábitos de vida bem variados.

A CUÍCA TRÊS LISTRAS

A cuíca-três-listras foi eleita animal símbolo do Parque da Biodiversidade, onde foi encontrado um exemplar da espécie pela primeira vez. O ciclo de vida da cuíca é bastante curto, semelhante ao de um roedor, porém sua reprodução não é tão eficiente, sendo animais raros por natureza. Considerando-se o grau de ameaça, além de restrita, a espécie encontra-se na lista de animais ameaçados de extinção, numa categoria vulnerável.

FLORA DO PARQUE DA BIODIVERSIDADE

Foto 26 Orquídeas na Trilha Recuperação e manejo . Foto 27 A Bromélia, importante representante de espécies

A flora é um recurso de enorme valor para os organismos vivos No Brasil, há milhares de espécies vegetais nativas ainda não estudadas. Muitas delas encontram-se em fase de extinção; outras, já foram extintas antes de serem conhecidas cientificamente (MMA, 2014).

O Brasil possui a flora mais diversa do mundo, com mais de 55 mil espécies de plantas, 22% do total mundial. Também encontra-se no país a maior riqueza de espécies de palmeiras (390 espécies) e de orquídeas (2.300), além de algas, gimnospermas (como o pinheiro), pteridófitas (samambaias) e briófitas (musgos) (MMA, 2014).

Atualmente, catalogadas na Lista de Espécies da Flora do Brasil, estão mais de 42.730 espécies da flora brasileira, sendo 4.409 de Fungos, 4.057 de Algas, 1.521 de Briófitas, 1.196 de Pteridófitas, 26 de Gimnospermas e 31.521 de Angiospermas (MMA, 2014).
A flora encontrada é um recurso de grande importância para o equilíbrio ecológico, é o recurso alimentar de várias espécies de animais, seu dossel ajuda na manutenção da temperatura e umidade do interior da floresta, além do seu valor econômico. Presentes na mata ciliar, oferecem proteção para as águas, reduzindo a força das águas que chegam a rios, lagos e represas, mantendo a qualidade da água e impedindo a entrada de poluentes para o meio aquático.

O Parque da Biodiversidade abriga diversas espécies quase ameaçadas de extinção no Estado de São Paulo: Jequitibá-branco (Cariniana estrellensis), Cedro (Cedrela cf. fissilis), Copaíba (Copaifera langsdorffi), Jacarandá paulista (Machaerium villosum). Este vestígio mostra a importância de preservar-se essa área de mata e promover a recuperação.

A espécie Guaçatonga (Casearia sylvestris) é pioneira e comum nas bordas do fragmento e de acordo com os parâmetros fitossociológicos, encontra-se entre as dez mais importantes espécies na área em estudo do Parque.

 

VISITAS MONITORADAS

foto8 . Foto 12

Desde o mês de março de 2014 o Parque vem desenvolvendo o Programa de Educação Ambiental. A equipe é capacitada para monitorar os visitantes nas atividades, além de desenvolver exposições, oficinas, dinâmicas e eventos no Centro de Visitantes.

Foto 37 Palestra do Clube de Observadores de Aves de Sorocaba (COAves) . Foto 18 . Foto 39 Oficina de artesanato com materiais recicláveis

Possui uma estrutura de Centro de Visitantes e Quiosque para recepção dos visitantes, além de três trilhas temáticas:
Trilha 1 Recuperação e Manejo – percurso de 1,5 km, tem a característica de ser auto-guiada;
Trilha 2 Caminhos da Biodiversidade – percurso de 2,3 km, é monitorada e circunda a Zona intangível, área mais protegida do Parque;
Trilha 3 Campininha – percurso de 5,7 km, é monitorada e atravessa toda a área do Parque.

Foto 25 Trilha “Recuperação e manejo” . Foto 11 . Foto 13

 

Grupos e visitas monitoradas ocorrem apenas com agendamento antecipado.

Agendamento de visitas monitoradas podem ser realizadas com a equipe de Educação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente, Parques e Jardins através do telefone (15) 3219-2299

 

Foto 22 aplicação da pegada ecológica . Foto 31 Pescaria do lixo no Túnel das Atitudes . Foto 34 Ciranda de roda com o grupo teatral Semeando Encanto

 

COMO CHEGAR

O Parque localiza-se à Avenida Itavuvu, nº 11.500, Altos do Itavuvu, Sorocaba.
Acesso pela Rod. Castello Branco (logo após o Parque Tecnológico) ou pela Avenida Itavuvu (próxima a rotatória do SAAE).