VIVABELHA – Meliponicultura nos Parques Naturais de Sorocaba


Meliponário VivAbelha

Conservar a biodiversidade é um desafio que ultrapassa a prática de conservar as espécies. Atualmente, com os altos índices de degradação ambiental e crescimento de práticas poluidoras nos diversos níveis dos ecossistemas, esse desafio se inicia na sensibilização das pessoas, passa pelo restabelecimento de relações ecológicas e se mantém na conservação de áreas protegidas.

Nesse contexto, a criação de Parques, a adoção de práticas preservacionistas e o trabalho da Educação Ambiental são ferramentas para enfrentar as mudanças que a sociedade com o aumento do consumo consequentemente da poluição.

A perda da biodiversidade está diretamente ligada ao desaparecimento de espécies polinizadores, entre elas estão as maiores responsáveis por esse processo: as abelhas. Espécies nativas de abelhas estão sumindo, as causas são antrópicas e entre elas estão a redução de habitats naturais e fontes de alimento (néctar e pólen), envenenamento por agrotóxicos, destruição direta de ninhos e competição com espécies invasoras.

Os meliponários são espaços de criação de abelhas nativas, conhecidas como meliponídeos ou abelhas “sem ferrão”, que funcionam como uma forma de conservação das abelhas, produção de alimento e espaço educador.

A Educação Ambiental atua na sensibilização e reflexão do indivíduo para suas relações com o ambiente, através de práticas individuais e coletivas buscando a solução de problemas ambientais e o equilíbrio ecológico.

Dessa forma, o Projeto VivAbelha tem por finalidade sensibilizar as pessoas para a conservação de espécies nativas, estimular práticas ecológicas e incentivar a integração da ciência e da sociedade. Utilizando das abelhas, seu modo de vida social e interações com espécies vegetais como exemplos de sobrevivência, cooperação e sustentabilidade.

O projeto surgiu de uma parceria da Secretaria do Meio Ambiente (SEMA) com a Associação Paulista de Técnicos Apícolas (APTA) e a Federação de Associações de Apicultores e Meliponicultores do Estado de São Paulo (FAAMESP). A proposta é realizar a interação da sociedade com espécies importantes para o ambiente natural, buscando oferecer atividades lúdicas através de meliponários, para sensibilizar pessoas da importância da conservação e preservação ambiental e sua realidade. Esse processo educacional entende que a conservação das abelhas sem ferrão seja essencial para meio ambiente, para a vida, as quais devem ser protegidas da degradação ambiental.

O objetivo geral é construir um conhecimento em conjunto com a comunidade, sobre a preservação de abelhas sem ferrão e seus principais benefícios à sociedade, sensibilizando e promovendo o interesse para conservação ambiental, bem como uso de seus recursos sustentáveis. Além disso, pretende abordar outros ambientes de ensino, buscando uma ferramenta pedagógica fora do ambiente escolar.

Os objetivos do projeto são:

  • Implantar e manter meliponários nos Parques Ecológicos da cidade de Sorocaba-SP;
  • Sensibilizar a população para a importância e conservação das abelhas;
  • Compartilhar dos conhecimentos na área da meliponicultura integrando ciência e sociedade
  • Difundir práticas ecológicas e vida em sociedade, identificando temas geradores relacionados com a conservação ambiental partindo de percepções e vivências da população, motivando-os a problematizar a sua realidade;
  • Trabalhar a partir da concepção da conservação das abelhas como importância fundamental na manutenção da flora;

O projeto Vivabelha conta atualmente com 4 meliponários nos Parques “Chico Mendes”, “Biquinha”, Parque da “Biodiversidade” e Jardim Botânico com 20 caixas de 5 espécies de abelhas nativas (Jataí, Borá, Mirim-preguiça, Iraí e Mandaçaia). O projeto contempla diversas atividades presentes nas práticas dos Programas de Educação Ambiental locais, como visitas monitoradas, clube ecológico, exposições, oficinas e palestras.